Teimosice

O Livro do Desassossego definitivamente não ajuda a tarde de domingo. A melancolia tão característica do dia entra em ressonância com o inabalável desalento português para transformar a tristeza em sentimento elequentemente justificado. Mais que duas páginas diárias da genialidade de Fernando Pessoa eu definitivamente não aguento. O poeta descreve tão propriamente a agonia da vida, que a apoquentação que me povoa a alma ganha detestável suporte. Aí só mesmo um samba, choro triste de melodia alegre, contraste tão próprio da vida brasileira, para trazer a alegria ao seu devido lugar de destaque. A verdade é que não suporto esmorecimento que não venha desafiado por um sorriso de resistência, consternação sem uma pontinha obcecada de esperança. O segundo domingo do ano vem com uma provocação: Será que você ainda escreve? Eu acho que sim. Só de teimosice, só porque não há tempo para elucubrações... Só de boa. Só de mal.